A Vitória que Vem pela Fé

O apóstolo João afirma categoricamente que quem é nascido de Deus vence o mundo. O verbo “vence”, na versão grega, está no pretérito (indica uma ação que se iniciou no passado e continua no presente, implicando, com frequência, a ideia de repetição). Portanto, ele está dizendo que, não apenas venceríamos, mas que temos vencido o mundo. Do ponto de vista divino, essa vitória contra todo o mal e sobre todo o sistema de falsidade e impiedade que luta contra Deus já está assegurada. 

 

Vitória implica oposição

Quem é nascido de Deus está no mundo, mas não é do mundo. Embora esteja temporariamente na Terra, tem sua perspectiva no Reino eterno, por isso não está preso ao sistema de coisas deste mundo. Esta é a razão porque vence o mundo. Só existe batalha se houver conflito. Satanás não quer guerra, ele quer paz; nós, os filhos de Deus é que queremos guerra. O mundo é a materialização de Satanás, portanto, só vence o mundo quem tem conflito com ele. Qualquer associação anula o motivo de conflito! 

A vitória que vence o mundo é nossa fé. O mundo quer nos atrair pelos olhos - “Pois tudo o que há no mundo - a cobiça da carne, a cobiça dos olhos, e a ostentação dos bens - não provém do Pai, mas do mundo” (I João 2:16). Mas viver pela fé é andar pelo que não se vê - “... A fé é… a prova das coisas que não vemos” (Hebreus 11:1). Nossa carne se inclina para o que se vê (que é passageiro), mas nosso espírito para o que não se vê (que é eterno).

 

Vitória exige sacrifício

Só pode vencer o mundo quem crê que Jesus Cristo é o Filho de Deus, Aquele que veio por meio de água e sangue! (v. 6). João estava contrapondo os falsos mestres, que afirmavam ter Jesus nascido como mero homem, e que o Cristo (Filho de Deus) desceu sobre Ele por ocasião do batismo, mas O deixou antes do Seu sofrimento na cruz. No entanto, a água simboliza o batismo, e o sangue a Sua morte. Portanto, Jesus era o Filho de Deus, não somente no batismo, mas também em Sua morte!

Quem crê em Jesus Cristo se identifica com Ele pela água e pelo sangue. A água é a palavra, por meio da qual somos lavados; sangue é sacrifício. Quando Jesus estava na cruz, já morto, e o soldado perfurou o Seu lado com uma lança, logo saiu sangue e água (João 19:34). Vencer o mundo exige que a água (palavra) se misture com sangue (sacrifício). Ou seja, a palavra precisa ir além da letra e se tornar sacrifício, prática, entrega… Jesus é a palavra que Se tornou sacrifício!

Muitos querem apenas a água, usam a palavra para fundamentar seus discursos motivacionais.  Mas a palavra precisa ir além, ao nível da entrega irrestrita e sacrificial, ao nível da cruz, da morte de si mesmo, para que Cristo viva. O verdadeiro evangelho tem água e sangue; e o resultado é ressurreição. A fé neste evangelho é que vence o mundo!

 

Vitória é ressurreição

Na sequência, João esclarece ainda mais sua mensagem ao dizer que existem três testemunhas na Terra que O Pai deixou acerca de Seu Filho Jesus: o Espírito, a água e o sangue. A água é a Palavra, o sangue é o sacrifício e o Espírito é a ressurreição. Jesus é a palavra, que Se tornou carne (João 1:1, 14), e que foi sacrificada em nossa substituição; por isso o Pai O ressuscitou pelo Seu Espírito (Romanos 8:11).

Quando a Palavra se torna sacrifício, a ressurreição acontece. João diz que quem crê no Filho de Deus tem em si mesmo esse testemunho (v. 10). Crer nEle é identificar-se com Ele na Sua morte e ressurreição. O evangelho é morte que produz vida! O grão de trigo só pode dar fruto se morrer (João 12:24).

Por ocasião da crucificação de Jesus os judeus pediram para quebrar as pernas dos crucificados a fim de apressar sua morte. Os soldados assim o fizeram, mas quando constataram que Jesus já estava morto, não lhe quebraram as pernas (João 19:31-33). Foi quando um dos soldados perfurou o Seu lado com uma lança, e logo saiu sangue e água (v. 34).  

A cruz tem três níveis de revelação: tomar a cruz; se deixar ser crucificado; morrer. Só existe ressurreição se houver morte! Existem pessoas que, como aqueles dois ladrões, se recusam a morrer, ficam “agonizando” na cruz! Continuam “lutando” pela vida (procuram reconhecimento, exigem direitos, argumentam, se justificam, defendem suas razões). A lança que perfurou Jesus é uma referência às circunstâncias que nos provam. Se estamos apenas “desmaiados” ou “fingindo-nos” mortos, Deus permite que a “lança” nos perfure, a fim de que nos entreguemos à morte de uma vez por todas (Mateus 16:25).

Quando a água se une ao sangue, vem ressurreição pelo Espírito. Os três são unânimes. Ter o Filho é viver integralmente a ação destas três testemunhas. Por isso, “... quem tem o Filho tem a vida” (v. 12). A vitória é a vida eterna, a ressurreição!

Baixe a
apresentação