Celebrando a Família

Uma Comunidade Acolhedora que Vive o Compromisso do Amor de Cristo.

Jesus disse: “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (João 13:35). Para o mundo, a marca dos que são discípulos, seguidores de Jesus, é o amor, nada mais. Jesus deixou isso bem claro. Não é o templo onde eles se reúnem, nem os eventos que fazem, nem os projetos sociais que implementam, nem os ministérios, nem os cultos e programações, nem mesmo os milagres, sinais e maravilhas. Jesus tinha um magnetismo que atraía as pessoas. Esse mesmo magnetismo está na Igreja, o grupo dos seguidores dEle!

  Nossa família espiritual tem uma identidade: somos uma comunidade de relacionamento. É o que somos em Cristo. Ou seja, como filhos de Deus já somos uma comunidade de amor. A Bíblia diz: “E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu” (Romanos 5:5). Não precisamos mais pedir amor, ele já está em nós, e foi derramado! Só precisamos liberá-lo. O amor faz!

A nossa identidade é o que somos independente do que estamos. Portanto, estamos crescendo, desenvolvendo, construindo relacionamentos e melhorando a cada dia para chegar naquilo que somos em Cristo - “... Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo” (Efésios 4:13). Como família, temos muitas imperfeições, falhamos no amor, temos enormes limitações. Admitimos nossos defeitos, mas não nos conformamos com eles, porque não somos o que estamos! Também não somos o que a nossa cultura dita, ou o que a sociedade diz sobre nós. Não somos um povo frio, fechado, sisudo..., porque a nossa cultura é a do Reino! O evangelho transforma, suplanta, supera, temperamentos, cultura, costumes, hábitos regionais... Somos a família de Jesus, a família do amor, que se relaciona uns com os outros porque tem o DNA do Pai.  

Mas, para que isso dê certo, cada um precisa adquirir o que chamamos de “senso de pertencimento”. Eu preciso assumir a consciência de que, se Deus aqui me colocou, eu agora pertenço a esta família. Não sou apenas um frequentador, ou um forasteiro, que permanece somente enquanto lhe for conveniente. Igreja não é rodoviária, onde pessoas entram e saem sem criar vínculos duradouros. Quem pertence não fica apenas assistindo e avaliando se de fato esta é uma comunidade de relacionamento, mas é parte da identidade, por isso faz acontecer, é intencional em viver o que já somos no Reino espiritual. Tal pessoa não espera que os outros façam, mas ela mesma faz, porque tem o DNA da comunhão, do relacionamento em amor, colocando em prática a regra áurea: “Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam…” (Mateus 7:12).

Quando uma pessoa não tem senso de pertencimento, ela está sempre pronta a criticar sua própria família. Sua crítica é destrutiva, sempre na terceira pessoa do plural (eles), por isso não trabalha a favor. Mas aquela que tem consciência de pertencimento, quando faz alguma crítica, coloca-se junto, na primeira pessoa do plural (nós). Ela diz “nós precisamos melhorar nisso e naquilo; o que nós podemos fazer”? Então ela é a primeira pessoa a fazer, sem julgar os outros, porque sabe que falar mal dos outros é falar mal de si mesmo. Quando cada parte realiza a sua função, coletivamente nos tornamos uma comunidade saudável, que cresce e se multiplica como consequência - “Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função” (Efésios 4:16).

Um seguidor de Jesus não é um expectador, ele faz; não é parte do problema, mas uma parte da solução do problema. Um discípulo de Jesus é intencional em provocar relacionamentos, porque esta é a essência do evangelho. Ele agirá em comunidade de acordo com sua identidade - a marca do amor. Nunca seremos perfeitos enquanto vivermos neste corpo mortal, mas caminhamos para isso: “Não que eu já tenha obtido tudo isso ou tenha sido aperfeiçoado, mas prossigo para alcançá-lo, pois para isso também fui alcançado por Cristo Jesus. Irmãos não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3:12-14).

Estamos melhorando a cada dia. Não daremos ouvidos às declarações negativas e pejorativas. Somos Igreja, somos Família, somos Comunidade de relacionamento, somos o povo que se importa e ama. Esta é a nossa marca, e por ela somos identificados e reconhecidos como seguidores de Jesus - o amor. Isso é tudo!

Baixe a
apresentação