A Mente de Cristo VI

O Princípio da Individualidade

Deus é infinito, diverso e único, e criou o homem a Sua imagem e semelhança (Deuteronômio 6:4; I Reis 8:60). Cada ser humano é um indivíduo dotado de valor e dignidade e reflete a existência distinta e individual de Deus. O princípio da individualidade nos faz respeitar as diferenças e identificar e valorizar a diversidade. Deus deu uma identidade exclusiva a tudo que criou, e tudo o que existe no universo reflete a Sua natureza infinita e diversa. 

Se somos exclusivos, é lógico concluir que existe uma porção única da glória de Deus revelada por cada um de nós. No início da criação, Deus pediu que Adão desse nome a todos os animais (Gênesis 2:19). “Dar nome” significa “notar a diferença”. Deus é criativo, diverso e exclusivo em toda a Sua criação. Ninguém é como você! (Salmos 139:14, 16; Jeremias 1:5). 

 

O que diz o sistema deste mundo

Uma das principais propostas que ferem o princípio da individualidade é o igualitarismo. O ideal de uma sociedade igualitária soa bonito, mas o igualitarismo distorce o conceito de igualdade. Segundo o dicionário Oxford, igualitarismo é: “Doutrina, atitude daqueles que visam estabelecer a igualdade absoluta em matéria política, social, cívica; teoria que sustenta a igualdade absoluta dos homens”. Trata-se, portanto, de uma igualdade absolutista, ignorando-se os vários aspectos da individualidade humana. 

Este pensamento, portanto, emerge do socialismo: “Um sistema social no qual todos os bens produzidos pertencem e são distribuídos coletivamente. Politicamente, todo o poder é exercido por toda a comunidade (...) É um sistema econômico baseado na eliminação da propriedade privada dos meios de produção; uma filosofia anticristã de propriedade e trabalho” (SMITHWICK, Pilares, pg 73). 

Tal modelo social se opõe ao que é chamado de meritocracia, que é um sistema ou modelo de hierarquização e premiação baseado nos méritos pessoais de cada indivíduo. O igualitarismo alega que este critério segrega a sociedade e faz com que cresça a desigualdade social, tendo como base dois aspectos principais: a inteligência (QI elevado) e um grande nível de esforço. Segundo os críticos da meritocracia, não se trata de um sistema justo, pois a ascensão profissional ou social não depende exclusivamente do esforço individual, mas também das oportunidades que cada indivíduo tem na vida. 

É dessa linha de pensamento que decorre a ideia de que se tem o direito de invadir propriedades e tomar posse do que não é seu. Justifica-se tal comportamento por conta da desigualdade social, que seria fruto de um sistema opressor e injusto. Assim, o igualitarismo estimula o vitimismo, ou seja, a mentalidade de que um erro justifica o outro.  Sim, a igualdade implica em direitos, deveres e oportunidades iguais, o que é justo; no entanto, aproveitar as oportunidades é prerrogativa da individualidade de cada ser humano.

 

O que diz a Bíblia

A Bíblia é clara em abordar o sistema econômico da livre iniciativa. Na verdade, capitalismo é um termo pejorativo que passou a ser usado para se referir à economia de livre mercado. A livre iniciativa é “Um sistema econômico no qual todos os bens que são produzidos e distribuídos são de propriedade individual ou corporativa, e o desenvolvimento é proporcional ao acúmulo e reinvestimento de lucros ganhos em um livre mercado” (SMITHWICK, Pilares, pg 75). 

O coração do sistema de livre iniciativa está fundamentado no oitavo mandamento: “Não furtarás” (Êxodo 20:15). Os bens que pertencem a você não podem ser roubados por outro homem, pelo Estado ou por qualquer sistema de governo. 

David Noebel, presidente do Ministério Summit, diz: “... A Bíblia não somente concede ao homem o direito à propriedade privada, mas também chama o homem para ser um bom mordomo de sua propriedade (...) O único sistema econômico que os crisãos podem aceitar enquanto permanecem práticos e consistentes com sua cosmovisão é a livre iniciativa. Tanto o mundo real quanto a revelação bíblica apoiam a propriedade privada, a mordomia, a recompensa pelo trabalho, a doação, etc.” (SMITHWICK, Pilares, pg 76). 

 Portanto, o igualitarismo é uma agressão ao princípio da individualidade e à propriedade privada. Jesus contou a parábola dos talentos (Mateus 25:14-30). Ela nos ensina que Deus reparte, de acordo com a Sua soberania, dons, talentos e habilidades de forma e em quantidades diferentes. O senhor daqueles servos não mediu os resultados pela quantidade, mas pela maneira como cada um administrou o que recebeu.

Alguns cristãos referem-se ao comportamento da Igreja Primitiva para defender o socialismo como uma proposta bíblica válida de política econômica (Atos 2:42-47). No entanto, tal argumento confunde caridade com comunismo. Aqueles cristãos compartilhavam seus bens uns com os outros de maneira voluntária; eles não estavam aderindo a uma política econômica imposta pelo Estado.  

Há uma citação bíblica bem coerente quanto ao ideal de justiça social e distribuição de renda e bens: “No presente momento, a fartura de vocês suprirá a necessidade deles, para que, por sua vez, a fartura deles supra a necessidade de vocês. Então haverá igualdade, como está escrito: ‘Quem tinha recolhido muito não teve demais, e não faltou a quem tinha recolhido pouco’” (II Coríntios 8:14-15). O princípio é: quem tem mais, que não tenha demais, para que quem tem pouco, não tenha de menos! 

Baixe a
apresentação