Abandone a malícia, busque o entendimento

(I Coríntios 14:20)

 

"Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia e adultos no entendimento" (ARC).

 "Irmãos, deixem de pensar como crianças. Com respeito ao mal, sejam crianças; mas, quanto ao modo de pensar, sejam adultos (NVI).

 "Irmãos, não pensem como crianças. Sejam como crianças para o que é mau, mas sejam adultos no seu modo de pensar" (NTLH).

O contexto deste versículo é o assunto do conflito entre os coríntios por conta do uso dos dons. Alguns estavam dando maior valor ao dom de línguas do que ao de profecia nas reuniões públicas. Paulo, nesta carta, repreende a igreja e faz importantes ajustes doutrinários. Já no capítulo 3 o apóstolo fala que a divisão entre eles era sinal de carnalidade e, portanto, infantilidade (I Coríntios 3:1-4). Aqui, no capítulo 14, ele refere-se mais uma vez à falta de maturidade, mas agora no uso dos dons. 

 

Criança quer chamar a atenção

Competição, vaidade, desejo de se sobressair, de exibir dons e habilidades, são fortes sinais de criancice. "Irmãos, deixem de pensar como crianças…". Crianças, aqui, no grego é nepiadzo - "agir como como um bebê"; deriva de nepios -  "uma criança, um bebê que ainda não sabe falar; no sentido figurado, um cristão imaturo, infantil". A Igreja não é um ambiente de competição, mas de unidade e serviço uns aos outros. Todos trabalham por todos e para todos. O êxito de um é o êxito de todos e o fracasso de um é o fracasso de todos, pois a igreja é um corpo (I Coríntios 12:26). Quem não anda em unidade está dando clara demonstração de superioridade, de que sabe mais que os outros.

Todos os que querem se sobressair, de um jeito ou de outro, o fazem diminuindo os outros. Quando damos ouvidos a notícias negativas sobre alguém ou participamos de maledicências, estamos comunicando: "eu não sou assim, sou melhor, não faço essas coisas…". As redes sociais hoje em dia se tornaram o ambiente fértil para extravasar o desejo de aparecer que está enrustido em todo ser humano. E, nesta ânsia, posturas vergonhosas são constantes. Lava-se roupa suja sem o menor constrangimento. É irmão falando mal de outro, críticas, difamações, agressões, insultos... É aí que se percebe quem é maduro e quem não é. Ser maduro é não revidar, não se defender, é ignorar os ignorantes e entregar tudo nas mãos do Justo Juiz. 

 

Criança acredita em tudo

A instrução de Paulo é: "Com respeito ao mal, sejam crianças…". A palavra "mal" ou "malícia", no grego, é kakia, que significa "maldade; malignidade, no sentido de desejo de fazer mal aos outros". Quando Paulo fala que decidiu deixar de pensar como menino depois que se tornou homem, era sobre o amor (I Coríntios 13:11). E o amor  "… Não suspeita mal…" (13:5). Quem ama se recusa a acreditar em fofocas, pensa sempre o melhor das pessoas. Infantilidade é acreditar em tudo o que os outros falam, em tudo o que se lê nas redes sociais e nos sites de notícias. Quem é maduro sabe que tudo tem dois lados, por mais que o seu coração seja inclinado a uma linha de pensamento.  

Há uma tendência forte em todo cristão de se orgulhar do seu conhecimento. No início da sua conversão ele é puro de coração, tem uma gratidão enorme pela igreja e pelos irmãos, vê com facilidade as coisas boas nas pessoas, está sempre pronto a servir, se envolve, evangeliza, tem compromisso… Mas, à medida que vai tendo acesso ao conhecimento da palavra as coisas começam a mudar. Agora ele vê o que não via, porém quase sempre na vida dos outros, não em si mesmo! Comete o grande erro de usar a Bíblia para julgar os outros. Aos poucos vai invertendo a ordem proposta, e torna-se adulto na malícia e menino no entendimento! 

 

Maturidade é entendimento, não conhecimento

Paulo diz que o conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica (I Coríntios 8:1-2). Portanto, o conhecimento não edifica, pelo contrário, traz orgulho. O que precisamos buscar é entendimento e não conhecimento. O verdadeiro entendimento é o amor. Quem tem apenas conhecimento ainda é infantil. Conhecimento sem entendimento é totalmente inútil. Ser adulto no entendimento é viver a prática do amor. Se o conhecimento não evolui para o entendimento, ficamos sem fruto - "... Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!" (Mateus 7:20). Na parábola do semeador Jesus disse que quando alguém apenas conhece, mas não entende, o Maligno vem e arranca o que foi semeado no coração (Mateus 13:4, 19). Paulo escreve a Timóteo alertando sobre a incredulidade e a infidelidade dos últimos dias (II Timóteo 3:6-7). Pessoas que estão sempre aprendendo mas nunca chegam ao conhecimento da verdade são vítimas da sua própria instabilidade espiritual. Elas se deixam influenciar, persuadir, pelos falsos mestres e todo tipo de perversão e maldade.  

Maturidade é uma escolha. Não participe do vexame da infantilidade. Não admita ser parte do movimento dos bebezinhos espirituais, que têm muito conhecimento, mas nenhum entendimento!

 


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=MEcLZc4izec

Baixe a
apresentação