Celebre

Texto: Atos 2:46-47

O Dia do Pentecoste está relacionado à Festa das Semanas no AT (Êxodo 23:16), ou Festa da Colheita dos Primeiros Frutos (porque celebrava o início da colheita do ano). Festa é celebração. Deus ordenou que Seu povo celebrasse a colheita. Celebrar é comemorar; e, no sentido espiritual, é proclamar louvores.

A colheita é um grande motivo para comemoração! Por que? Porque ela expressa o milagre da vida. A vida é uma dádiva. Homem algum pode produzi-la. Cabe ao homem cultivar a terra e semear, mas fazer brotar a vida é dom de Deus! Portanto, é uma festa que reconhece a soberania de Deus e a graça da provisão.

Pentecostes celebra a vida do Espírito. O novo nascimento é um mistério, à semelhança da vida física. "O Espírito dá vida..." (João 6:63). Jesus disse:  “... O Reino de Deus é semelhante a um homem que lança a semente sobre a terra. Noite e dia, estando ele dormindo ou acordado, a semente germina e cresce, embora ele não saiba como” (Marcos 4:26-27). Um acontecimento tão extraordinário precisa ser celebrado! Celebração tem duas características: alegria e motivação.

 

Alegria

Não existe celebração sem alegria. Quando Jesus estava na sinagoga em Nazaré, Ele citou o texto de Isaías 61 - “O Espírito do Soberano, o Senhor, está sobre mim, porque o Senhor ungiu-me para… dar a todos os que choram em Sião uma bela coroa em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de pranto, e um manto de louvor em vez de espírito deprimido” (vs 1, 3). O Espírito foi derramado para esse propósito. Onde tem colheita, tem alegria! Uma Igreja, ou uma célula, que não tem colheita, torna-se monótona, sem vida, sem alegria, sem motivação… Nossa alegria e motivo de festa é tão somente o fruto. Jesus disse: “Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto… tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa” (João 15:5, 11). Sabe por que existem crentes tristes, frios e desmotivados? Porque não geram filhos, não frutificam! Quem gera filhos espirituais sabe que não existe maior alegria do que esta - “Não tenho alegria maior do que ouvir que meus filhos estão andando na verdade” (III João 4). 

A vida se torna uma celebração quando os promotores da alegria, aqueles que receberam o Espírito, entram em ação. Quando Filipe foi a Samaria, ao pregar o evangelho realizou muitos sinais miraculosos - “Os espíritos imundos saíam de muitos, dando gritos, e muitos paralíticos e mancos foram curados. Assim houve grande alegria naquela cidade” (Atos 8:7-8). Onde o Espírito Se manifesta há arrependimento e salvação, e este é o motivo real de nos alegrarmos, pois só somos realizados quando cumprimos nossa missão, sintonizados com o céu - “Eu lhes digo que, da mesma forma, há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende” (João 15:10).  

 

Motivação

As reuniões da igrejas em geral são chamadas de celebrações. Celebramos o que? A maioria dos crentes gosta de reuniões, eventos, conferências, congressos, programas, “ministérios”, entretenimentos,... E os pastores fazem isso tudo e mais um pouco com a intenção de mantê-los motivados! Os “templos” se tornaram verdadeiras casas de show; som, luzes, cores, fumaça, lindas decorações..., tudo com o objetivo de tornar o ambiente atraente aos crentes e manter a audiência!  

O que está acontecendo ultimamente no mundo é um sinal profético para a Igreja. O vírus que está assolando a terra provoca pneumonia aguda, insuficiência respiratória. A palavra “espírito”, no grego, é pneuma = respiração, sopro. Pneumonia é “falta de sopro”, por isso quem a contrai precisa de respirador artificial. Deus está tratando da “pneumonia” da Igreja. Os “respiradores” são os artifícios humanos para manter a igreja motivada. Agora Deus nos tirou dos templos para nos livrar dos “respiradores”, e nos levou ao isolamento para recebermos do Seu sopro. Ele quer que respiremos autonomamente, sem ajuda de “aparelhos”. Quando recebemos o sopro do Espírito, respiramos bem, somos saudáveis, motivados e vibrantes, focados no propósito. Não precisamos de artifícios externos, pois o Espírito é suficiente!

Quando celebramos a vida, então o culto faz sentido! Uma celebração sem fruto é vazia, artificial, litúrgica e religiosa, por mais que o ritmo da música possa embalar a plateia! A Igreja Primitiva tinha alegria completa (João 15:11) e vivia em constante motivação - “Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração... E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos” (Atos 2:46-47). 

Baixe a
apresentação