Desista das Coisas de Criança

DESISTA DAS COISAS DE CRIANÇA

(I Coríntios 13:11)

 

"Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino" (NVI).

"Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino” (ARA).

"Quando eu era bebê, no colo da minha mãe, eu balbuciava como qualquer vebê. Depois que cresci, deixei para sempre essas coisas de bebê" (A Mensagem). 

 "Quando eu era criança, falava como criança, sentia como criança e pensava como criança. Agora que sou adulto, parei de agir como criança" (NTLH).

Crescer é uma decisão. Deixar de ser menino é uma atitude - "Deixei para trás"; “...desisti";  "deixei para sempre"; "parei de agir". Existem pessoas que, mesmo crescidas, ainda continuam com comportamento infantil. Do ponto de vista espiritual, muitos que já deveriam ser adultos, ainda continuam crianças -  "Embora a esta altura já devessem ser mestres, vocês precisam de alguém que lhes ensine novamente os princípios elementares da palavra de Deus. Estão precisando de leite, e não de alimento sólido" (Hebreus 5:12). É possível ter quantidade sem qualidade, mas é impossível não ter quantidade se houver qualidade. Não queremos "templos" cheios de pessoas vazias, mas queremos pessoas (os verdadeiros templos) cheias do caráter de Deus! Só obteremos crescimento quantitativo se houver crescimento qualitativo. 

Deus não pode atuar através de filhos imaturos. É tempo de crescer! Temos que aprender a dominar nossos sentimentos, pensamentos e palavras.

 

1. Linguagem. “... Falava como menino...”. A palavra aqui para "menino" ou "criança", no grego, é nepios, que significa "bebê que ainda não sabe ou está aprendendo a falar". A criança fala o que não deve, na hora errada, muitas vezes é inconveniente; e quando não sabe falar, reclama, faz manha, chora, tenta ganhar tudo “no grito”. 

Falar como adulto é controlar a língua, é saber quando falar e quando calar, é se desviar da fofoca e da maledicência, é usar a boca para abençoar e não amaldiçoar e caluniar. Uma criança espiritual fala o que os outros falam, não tem ainda convicções próprias. É como um papagaio, apenas repete o que os outros falam, não têm essência, não têm relacionamento com Deus. 

A linguagem da fé é fruto da intimidade com o Deus Todo Poderoso - “... Eu sei em quem tenho crido...” (I Tm.1:12). Quem é maduro tem linguagem profética, confessa a palavra e não as circunstâncias, é constante, firme, transmite segurança e, sobretudo, louva a Deus em todo tempo, apesar das circunstâncias – “Bendirei o Senhor o tempo todo!  Os meus lábios sempre o louvarão” (Salmo 34:1).

  

2. Sentimento. "… Sentia como menino...". Nossos sentimentos estão no nível da alma. Ela é vulnerável à carne, ao mundo e à cobiça. Na alma estão nossas fraquezas, feridas não curadas ou mal curadas, bloqueios que ainda insistem em permanecer. Desistir de sentir como criança é aprender a não se mover mais por emoções e sentimentos, mas por convicções. Quem anda por sentimentos precisa ver para crer, quem anda pela palavra crê para ver (João 2:29).

Desistir das coisas de menino é deixar de ser melindroso, mimado, magoado, ressentido… Uma criança não consegue se dominar; ela fica bicudinha, faz pirraça, esperneia, quando não consegue o que quer. Ela é também inconstante; num momento está chorando, logo em seguida começa a rir. É fácil de ser manipulada porque seus sentimentos ainda estão aflorados. 

No contexto de I Coríntios 13 Paulo está falando do amor, que não é sentimento, é ação. Ser maduro não é negar o sentimento, mas é subjugá-lo ao domínio do Espírito. Nossa alma nunca terá vontade de orar, jejuar, meditar na palavra, aceitar os outros como são, perdoar, pedir perdão, a não ser que a treinemos para isso. Paulo diz: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus” (Fl.2:5), e na sequência ele fala de humildade. O sentimento de Jesus nos leva a relacionamentos curados, humildade, unidade, perdão, amor verdadeiro, respeito e consideração uns pelos outros.

 

3. Pensamento. "… Pensava como menino…". Pensar como menino é não controlar os pensamentos. A Bíblia diz que podemos decidir o que pensar (Filipenses 4:8). 

Uma criança pensa pequeno, limitadamente, apenas no aqui e agora. Deus tem uma visão eterna. Devemos pedir que Ele amplie nossa visão compartilhando os pensamentos dEle conosco. A pessoa madura pensa como Deus pensa. A Bíblia diz que os Seus pensamentos e caminhos não são os nossos (Isaías 55:8),  mas também diz que Ele nos revela Seus mistérios pelo Espírito Santo (I Coríntios 2:9-10).

Deixar de pensar como criança é abandonar os falsos paradigmas religiosos, os pensamentos, ideias e conceitos eclesiológicos equivocados com os quais nos aculturamos ao longo do tempo. Temos que estar dispostos a mudanças. Mudanças só acontecem quando os pensamentos mudam. Paulo diz que só há transformação (mudança de forma) quando há renovação da mente (Romanos 12:1-2). 


 

Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=jP4jt9xEWqM

 

Baixe a
apresentação