Discernindo a Batalha Espiritual

Existem dois reinos: o físico e natural, onde podemos interagir com nossos cinco sentidos; e o reino espiritual e invisível, onde podemos ter contato com o Espírito de Deus. Neste, Deus e os anjos estão de um lado, e Satanás e os demônios de outro lado.

Jesus disse que o Reino de Deus não vem com aparência exterior, ele está em nós (Lucas 17:20-21), ou seja nas pessoas nascidas do Espírito. Reino de Deus é o Seu domínio e governo. A mensagem principal de Jesus foi a respeito do Reino (Mateus 4:23).

 

Os três céus

O primeiro céu - é o céu atmosférico, a atmosfera ao redor da Terra. É a área onde Satanás opera. Ele é chamado “o príncipe do poder do ar” (Efésios 2:2). Este é o lugar de guerra espiritual. No princípio a autoridade sobre essa dimensão foi dada a Adão (Gênesis 1:26-28), mas quando este pecou, perdeu-a para Satanás. Por isso, este ofereceu-a a Jesus quando O tentou no deserto (Mateus 4:8-10).

O segundo céu - é o céu estelar, dos planetas e estrelas, chamado espaço.

O terceiro céu - é o lugar onde Deus vive - “Olhai dos altos céus, da tua habitação elevada, santa e gloriosa…” (Isaías 63:15). O apóstolo Paulo foi arrebatado até o terceiro céu, que é o paraíso (II Coríntios 12:1-4). Aqueles que se unem com Cristo por meio da fé são privilegiados ao se assentar com Ele nos lugares celestiais (Efésios 2:6); é o assento da autoridade total (Efésios 1:20-22). O terceiro céu é a dimensão do Reino eterno de Deus, e será o nosso lar final.

 

Nós somos o elo entre o terceiro e o primeiro céu

Os filhos de Deus, em cujas vidas o Reino habita, trazem esse Reino à Terra. O domínio que Adão perdeu foi reconquistado por Cristo; agora os filhos de Deus voltam à posição original e exercem autoridade sobre o mundo espiritual (Lc 10:19, Mt 18:18).

Jesus delegou, do terceiro céu, Sua autoridade a nós, Seus filhos, para manifestar Seu Reino na Terra (Mateus 10:1, 7-8). Deus quer que o poder e a autoridade dos céus fluam por meio de nós até nossa família, parentes, amigos, e o próximo em geral. 

 

Existem batalhas espirituais nos lugares celestiais 

Quando uma pessoa se converte a Deus, ela dá uma volta de 180 graus, portanto, dá de cara com o adversário (Satanás). Começa uma batalha que antes não existia! 

Tudo começou com a rebelião de Satanás no céu (Isaías 14:12-14). A queda de Satanás foi resultado do seu orgulho, expressado por meio das seguintes declarações: “SUBIREI aos céus…” (v.13); “ERGUEREI o meu trono…” (v 13); “ME ASSENTAREI…” (v 13); “SUBIREI mais alto…” (v 14); “SEREI como o Altíssimo…” (v 14). No entanto, Deus anuncia que o seu orgulho será punido (v 15). Também uma parte dos anjos se rebelou e juntou-se a Satanás (Judas 6). Alguns desses anjos caídos são colocados por Satanás sobre nações e são eles que se envolvem em batalhas de oração (Daniel 10:12-13). 

A rebelião nasceu no coração de Lúcifer. É por isso que “Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes” (Tiago 4:6). Graça é “favor”, “vitória”, “bênção”... Orgulhosos são resistidos por Deus porque estão associados com o inimigo. A Bíblia diz: “Pois a rebeldia é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria” (I Samuel 15:23). O feiticeiro se serve das forças espirituais para fazer a sua vontade, enquanto que o cristão, submisso, se rende a Deus para fazer a vontade dEle.  

 

Duas atitudes de batalha: submeter-se e resistir 

Tiago diz: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo e ele fugirá de vocês” (Tiago 4:7). Antes de resistir ao diabo precisamos nos submeter. Trata-se de humildade. Toda pessoa obediente e humilde para com Deus o é também para com seu semelhante e autoridades estabelecidas na Terra. O povo que saiu do Egito não conquistou a Terra de Canaã porque eram desobedientes e rebeldes contra Moisés. Ficaram quarenta anos dando voltas e morreram todos no deserto (Números 14:28-29). Quando Josué, finalmente, levou o povo até a fronteira da terra para conquistá-la, Deus lhes disse: “... Santifiquem-se, pois amanhã o Senhor fará maravilhas entre vocês” (Josué 3:5). Santificação é se separar do pecado. Pecado não confessado é legalidade para o inimigo. Paulo diz: “... Não dêem lugar ao Diabo” (Efésios 4:27). É preciso manter a santidade! A Bíblia diz que quem esconde seus pecados não prospera (Provérbios 28:13). 

Paulo diz que a nossa luta não é contra pessoas, mas contra forças espirituais (Efésios 6:10-12). Precisamos discernir essa batalha. Portanto, submeter-se a Deus e ser humilde é o primeiro passo, mas o segundo é agir. Resistir implica em ação. Jesus expulsou demônios várias vezes, e Ele nos deu a mesma autoridade (Lucas 10:19). Existe o momento da oração de louvor e adoração, confissão e arrependimento, petição, intercessão… Mas também o momento de usar a autoridade para mandar embora as forças que oprimem, adoecem, escravizam, cegam, etc. Existem espíritos que regem personalidades coletivas (igrejas, locais, povos, nações, famílias), e só a Igreja tem autoridade para ordenar que eles recuem em nome de Jesus!

 


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=aFyiV6ks2_8

Baixe a
apresentação