Lições sobre Fidelidade

1. Fidelidade requer plena confiança

Para ser membro de uma comunidade ou de uma equipe ministerial é necessário confiança plena; ou seja, você deve estar seguro a respeito de seus líderes. São pessoas em quem se pode confiar? São eles o que afirmam ser? 

Líderes são alvo de críticas todo o tempo. Jesus foi acusado de proibir o pagamento de impostos a César e de Se declarar um rei (Lucas 23:2). Paulo foi acusado de ser um perturbador e promover tumultos entre os judeus e pelo mundo todo (Atos 24:5). Quem fosse trabalhar com Paulo teria de estar completamente persuadido acerca de seu caráter. É importante esclarecer em seu coração todos os fatos a respeito do ministério ou da pessoa com quem você está trabalhando. Há alguma verdade por trás dos rumores? Haverá sempre numerosas acusações, rumores e histórias envolvendo cada homem de Deus. Se você decide permanecer num ministério deve estar preparado para defender confiantemente a integridade do ministério quando o seu líder for acusado. 

2. Sua fidelidade deve ser para com o princípio da autoridade

Na igreja não existe hierarquia, embora autoridade seja um princípio. Então, existem níveis de autoridade, não no sentido de posição hierárquica, mas de função, porquanto Deus investiu líderes de autoridade. A questão da lealdade, portanto, está sempre ligada com à autoridade estabelecida por Deus, aquela que está à frente do ministério como um todo. Ou seja, se, por exemplo, o líder de célula ou o supervisor começar a dizer coisas que são contrárias à visão geral da igreja, sua lealdade deverá ser para com o pastor principal. E, se o pastor principal começar a dizer e fazer coisas que são contrárias a Cristo, você não deve segui-lo. O apóstolo Paulo disse: “Tornem-se meus imitadores, assim como eu o sou de Cristo” (I Coríntios 11:1). Em outras palavras, ele estava dizendo: “Siga-me somente enquanto eu estiver seguindo a Cristo. O dia em que eu parar de seguir Cristo será o dia em que você deverá parar de seguir-me”. Sua lealdade, neste caso, é para com a mais alta autoridade: Cristo!

3. Fidelidade é não segurar a informação

Uma pessoa leal é franca com seu pastor sobre qualquer coisa que esteja ocorrendo. Se ela contar ao pastor a respeito de alguma corrupção que está acontecendo, ela é leal; se sabe de algo o tempo todo e não diz nada, é desleal.

O apóstolo Paulo diz aos coríntios: “Por toda parte se ouve que há imoralidade entre vocês…” (I Coríntios 5:1). Alguém relatou a Paulo que estava acontecendo imoralidade na igreja. Uma estrutura boa e leal funciona por intermédio de pessoa fiéis, que informam aos líderes a respeito de qualquer coisa que esteja fora de ordem. Há uma diferença entre relato piedoso às autoridades apropriadas e fofoca caluniadora. Quando você segura a informação, a impressão que dá é que você está a favor do que está acontecendo, e se torna cúmplice. O relatório piedoso pode salvar a vida de uma igreja!

4. Fidelidade é baseada em princípios, não em emoções 

Muita gente funciona movida por sentimentos e emoções, e não por princípios. Algumas pessoas seguem um desleal dizendo: “Sei que o que ele está fazendo é errado, mas sinto pena dele”. Porém, bebês cristãos vivem por seus sentimentos! Jônatas tinha princípios. Ele percebeu que seu pai estava errado, tentando matar um inocente. Então decidiu ajudar Davi, embora fosse emocionalmente difícil. Mesmo voltando-se contra a própria família, essa era a coisa certa a ser feita: “E, se meu pai quiser fazer-lhe mal, que o Senhor me castigue com todo o rigor, se eu não lhe informar isso e não deixá-lo ir em segurança…” (I Samuel 20:13).

5. A fidelidade lhe custará relacionamentos e amizades

Ser leal a alguém significa que você não pode ser leal a todos. Alguns cristãos afirmam que eles são apenas amigos de uma pessoa desleal. A Bíblia diz: “Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus” (Tiago 4:4). Qualquer pessoa que seja amiga do inimigo é também inimiga! Algumas amizades requer certas inimizades. Seu compromisso com algo pode até custar seu relacionamento com a família (Lucas 14:26). Um dos sinais da deslealdade são amizades e relacionamentos não saudáveis. A lealdade de Jônatas para com Davi lhe custou o relacionamento com o próprio pai: “Jônatas perguntou a seu pai: Por que ele deve morrer? O que ele fez? Então Saul atirou sua lança contra Jônatas para matá-lo…” (I Samuel 20:32-33). 

6. A fidelidade requer análise

De quem você tem aprendido? Paulo disse que Timóteo: “Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu” (II Timóteo 3:14). Analise o indivíduo que está sendo criticado e se isso faz sentido, somente então você conhecerá o quadro verdadeiro. Analise também o que está sendo pregado no púlpito. É correto? É a palavra? Isso irá ajudá-lo a saber se você permanecerá leal aos pastores ou não (II Timóteo 1:13). Que tipo de coisas ele tem dito sempre? Aquele que mentiu para você sobre outros irá mentir para outros sobre você! Leia a sua Bíblia e analise o que ela está dizendo. Por exemplo, ela diz que devemos evitar os insubordinados da nossa comunidade. Mas as pessoas perguntam: “Como o pastor pede para ficarmos longe de um irmão?”. É porque não lêem a Bíblia (Rm 16:17).

 

 


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=WxLlxNriAd0

Baixe a
apresentação