On - no Armagedom e Juízo Final

Logo após o período da grande tribulação acontecerá a batalha do Armagedom. Será a maior batalha da história da humanidade. 

“O sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, e secaram-se as suas águas para que fosse preparado o caminho para os reis que vêm do Oriente. Então vi saírem da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs. São espíritos de demônios que realizam sinais miraculosos; eles vão aos reis de todo o mundo, a fim de reuni-los para a batalha do grande dia do Deus todo-poderoso. "Eis que venho como ladrão! Feliz aquele que permanece vigilante e conserva consigo as suas vestes, para que não ande nu e não seja vista a sua vergonha". Então os três espíritos os reuniram no lugar que, em hebraico, é chamado Armagedom” (Apocalipse 16:12-16).

“O sexto anjo tocou a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das pontas do altar de ouro que está diante de Deus. Ela disse ao sexto anjo que tinha a trombeta: "Solte os quatro anjos que estão amarrados junto ao grande rio Eufrates". Os quatro anjos, que estavam preparados para aquela hora, dia, mês e ano, foram soltos para matar um terço da humanidade. O número dos cavaleiros que compunham os exércitos era de duzentos milhões; eu ouvi o seu número” (Apocalipse 9:13-16 13).

Armagedom é uma expressão hebraica - har meggido - que significa “monte Megido”, um local situado a 30 km ao sul de Nazaré, palco de várias batalhas ao longo da história. 

 

O que é o Armagedom?

É um lugar geográfico, mas precisamos entender como um evento profético, pois será, literalmente, a batalha final do bem contra o mal. Uma coalizão mundial de nações se mobilizará contra Israel para destruí-lo. Será, na verdade, o ápice, o auge da manifestação da hostilidade generalizada que se nutre contra Israel já nos dias atuais. Por isso, muitos estudiosos das profecias afirmam que o Armagedom é uma situação mundial já em curso, ou seja, ele já existe. Há uma guerra ideológica crescente e uma oposição intensa e declarada contra os princípios judaico-cristãos, que está preparando as nações para o desfecho final. 

“Por que se amotinam as nações e os povos tramam em vão? Os reis da terra tomam posição e os governantes conspiram unidos contra o Senhor e contra o seu ungido, e dizem:  "Façamos em pedaços as suas correntes, lancemos de nós as suas algemas!" Do seu trono nos céus o Senhor põe-se a rir e caçoa deles. Em sua ira os repreende e em seu furor os aterroriza, dizendo: "Eu mesmo estabeleci o meu rei em Sião, no meu santo monte" (Salmos 2:1-6) .

Em Salmos 2:1-3 encontramos uma descrição profética desta batalha. O v. 3 descreve exatamente como se expressam os opositores de Deus - consideram Suas leis e princípios como algemas! 

Toda a hostilidade, no entanto, que culminará nessa batalha, sofrerá uma intervenção sobrenatural (Salmos 2:4-6). Jesus virá juntamente com os santos e o exército celestial para vencer o Anticristo e as nações inimigas de Israel. “Que ele fortaleça os seus corações para serem irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos” (I Tessalonicenses 3:13).  “Os exércitos do céu o seguiam, vestidos de linho fino, branco e puro, e montados em cavalos brancos” (Apocalipse 19:14). Isso marcará o início do milênio, o tempo em que Satanás será preso por mil anos e o Reino de Cristo se estabelecerá na Terra. Embora os judeus não tenham se rendido ao Messias, Jesus, nos últimos dias o falso messias será desmascarado quando profanar o templo em Jerusalém; só, então, eles reconhecerão Jesus como Messias. Deus, portanto, vai cumprir Seus planos em e através de Israel! Por isso devemos abençoar Israel, como está escrito em Zacarias 2:8 “Naquele dia o Senhor protegerá os que vivem em Jerusalém, de forma que o mais fraco dentre eles será como Davi, e a família de Davi será como Deus, como o anjo do Senhor que vai adiante deles”, e Salmos 122:6 “Orem pela paz de Jerusalém: "Vivam em segurança aqueles que te amam!”

Armagedom será a materialização da batalha espiritual que a Igreja enfrenta. É uma guerra que travamos contra a carne, o mundo e Satanás. Paulo nos dá a receita para vencê-la: “...Submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4:7). Muitos querem vencer sem se submeter, mas isso não é possível, porque existe somente um vencedor: Jesus! Por que os santos estarão com Jesus nessa batalha? Porque eles vencem as guerras aqui e agora, no dia-a-dia, têm experiência de batalha em submissão a Deus e aos Seus princípios com temor. 

 

Haverá um juízo final?

O juízo final é uma realidade! Parece que muitos vivem como se isso nunca fosse acontecer, perderam o temor. Cresce o número de pessoas que não querem responsabilidade, nem compromisso. Elas se recusam a prestar contas a alguém dizendo que só se submetem a Deus! Como se fosse possível ser humilde para com Deus e ao mesmo tempo orgulhoso com seus semelhantes! Jesus Se referiu ao juízo final muitas vezes. Ele disse que vamos prestar contas dos nossos atos. Na parábola dos talentos, por exemplo, Jesus diz: “Depois de muito tempo o senhor daqueles servos voltou e acertou contas com eles” (Mateus 25:19). Vai haver um acerto de contas, sim, e será com todos. É sábio, portanto, aquele que se habitua a prestar contas a alguém, tendo um mentor, um discipulador em sua vida, alguém que possa lhe orientar e ajudar. 

Existe uma diferença entre juízo e julgamento. Julgamento é uma avaliação que se faz com base em algum parâmetro (lei) e juízo é a sentença. Haverá um juízo final, mas os que estão em Cristo não entrarão em condenação, como está escrito em João 5:24 "Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida”.

Estes serão absolvidos pela graça, pois Jesus é o Advogado. “Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (I João 2:1). No entanto o perdão e absolvição são para os humildes, os que se rendem em arrependimento pelos seus pecados. A graça opera sempre pelo arrependimento; e pecados confessados produzem frutos de arrependimento, mudança de atitudes! Arrependimento é a palavra central do evangelho.

 Mas haverá um juízo final diante do trono branco. “Vi também os mortos, grandes e pequenos, de pé diante do trono, e livros foram abertos. Outro livro foi aberto, o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros” (Apocalipse 20:12). "Enquanto eu olhava, "tronos foram postos no lugar, e um ancião se assentou. Sua veste era branca como a neve; o cabelo era branco como a lã. Seu trono ardia em fogo, e as rodas do trono estavam todas incandescentes. E saía um rio de fogo, de diante dele. Milhares de milhares o serviam; milhões e milhões estavam diante dele. O tribunal iniciou o julgamento, e os livros foram abertos” (Daniel 7:9-10 9).

Nessa ocasião os livros serão abertos. Está tudo registrado! Os que não tiverem seus nomes escritos no livro da vida sofrerão condenação eterna. Tudo o que está escondido será revelado. Haverá uma separação entre bodes e ovelhas. "Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, assentar-se-á em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes (Mateus 25:31-32 31).

A Bíblia diz: “... Os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente” (Salmos 19:9). Ele exerce juízo em nossas vidas; são correções que Ele faz para nos fazer voltar ao centro do Seu propósito. Quem é temente a Deus, não foge da Sua disciplina, porque o Pai corrige a quem ama. “Vocês se esqueceram da palavra de ânimo que ele lhes dirige como a filhos: "Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho" (Hebreus 12:5-6 5).

 

Só quem é filho sabe discernir a disciplina de Deus e corrige o seu comportamento. É preferível sofrer os juízos (as disciplinas) de Deus em doses homeopáticas do que chegar ao juízo final e entrar em condenação eterna! Por isso, prepare-se! Ame a correção, os juízos de Deus, pois são justos e provam o Seu amor. Eles nos levam ao arrependimento e mudança de vida. Amém!


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=tfAktkRhEd8

Baixe a
apresentação