Reconheça

Texto: Atos 2:38

Quando Pedro pregou pela primeira vez, depois do derramamento do Espírito, a multidão ficou impactada - “Quando ouviram isso, ficaram aflitos em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos: Irmãos, que faremos?”. A palavra do evangelho lhes trouxe temor ao coração e ficaram profundamente constrangidos. A resposta foi: “Arrependam-se e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo” (Atos 2:38).

A palavra do evangelho traz a consciência de que Jesus foi crucificado no lugar de cada ser humano pecador. A palavra “arrependimento” significa “pesar ou lamentação pelo mal cometido”; “compunção”, “contrição”. A palavra grega é metanoia, e significa “conversão”, “mudança de direção” e “mudança de mente”; “mudança de atitudes ou caráter, geralmente conotando uma evolução”. 

“Reconhecer”, portanto, implica em arrependimento, consciência e humildade:

 

1. Arrependimento. A chamada do evangelho é ao arrependimento. Logo que Jesus começou a pregar esta foi a mensagem - “Daí em diante Jesus começou a pregar: Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (Mateus 4:17). João Batista, o Seu precursor, fazia o mesmo (Mateus 2:2). O que é o Reino de Deus, ou dos céus? Significa governo, domínio, que tem o Senhor como Soberano. Jesus disse que ele está dentro de nós (Lucas 17:20-21). Assim sendo, arrependimento é requisito para sermos possuídos pelo Espírito!

As técnicas da psicologia e os truques da auto-ajuda podem ajudar e melhorar em algum nível a vida das pessoas? Pode, claro. Muitos artifícios humanos propõem bem-estar e saúde emocional, e que são indiscutíveis! Porém, contrastam com o evangelho, porque não promovem cura e transformação. A proposta do evangelho não é uma melhora, mas o renascimento, uma metanoia, transformação. O evangelho opera de dentro para fora, a partir do espírito. Trata as causas e não as consequências. 

 

2. Consciência. É por isso que a consciência do erro (pecado) vem antes do arrependimento. Se metanoia é mudança de direção, como vou mudar de direção se não reconheço que estou na direção errada? A frase mais difícil de sair da boca de alguém é: “eu estou errado”. Há uma arrogância na natureza humana pecaminosa que o leva sempre a querer se justificar, ou explicar porque errou, que é a mesma coisa! Todo presidiário, por exemplo, se declara inocente; todos os investigados na Operação Lava Jato, se professam injustiçados; quando secretamente (ou não) cometemos algum erro, o que primeiramente vem à mente é como explicar ou dividir a culpa com alguém! 

Jesus disse que enviaria o Espírito Santo para convencer - “Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:8). Porém, estar convencido não é o mesmo que estar arrependido. O filho mais novo da Parábola do Filho Pródigo, ao se dar conta da sua situação no chiqueiro de porcos desejando comer lavagem, caiu em si, ou seja, foi convencido da sua rebeldia. Mas o que mudou sua vida, foi a atitude; ele deu meia volta para a casa do pai e se humilhou (Lucas 15:17-18). Não existe metanoia sem arrependimento, nem arrependimento sem convicção de pecado. Arrependimento tem fruto - “Dêem frutos que mostrem o arrependimento” (Lucas 3:8). 

 

3. Humildade. O humanismo, que domina o pensamento moderno através da literatura, das ciências humanas e da filosofia em geral, tenta libertar as pessoas da culpa. Ou seja, não existe Deus, não existe pecado, não existe juízo… Isso faz com que o vitimismo se prolifere. O evangelho, porém, opera de maneira contrária. Ele diz que somos culpados, sim; somos responsáveis pelos nossos atos, sofremos as consequências das nossas próprias escolhas erradas. Mas ele também revela o perdão. Se nos humilharmos em arrependimento, não precisamos carregar a culpa! A graça opera pelo arrependimento. 

A justiça própria bloqueia o recebimento do dom (presente, dádiva) do Espírito. Ninguém pode ser cheio do Espírito se não reconhece o seu Pecado, o orgulho e autossuficiência. O Senhor, muitas vezes, Se referiu a Israel como povo de dura cerviz (parte posterior do pescoço), ou seja, obstinado, que não abaixa a cabeça, não se rende. O Espírito só enche os corações compungidos, quebrantados… Então Ele começa o processo de cura e libertação de todas as fortalezas em nosso interior. Um dos símbolos do Espírito Santo é o óleo, que nos tempos bíblicos era usado para curar feridas. 

O Senhor diz: “... Habito num lugar alto e santo, mas habito também com o contrito e humilde de espírito…” (Isaías 57:15); “... Um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás” (Salmos 51:17). Ele habita em nós pelo Seu Espírito. Reconhecer o pecado, portanto, e ter atitude de arrependimento é a chave para ser cheio!

Baixe a
apresentação