Seja Grato

A Bíblia diz que nos últimos dias as pessoas se tornariam ingratas: “... Nos últimos dias haverá tempos difíceis, pois muitos serão egoístas, avarentos, orgulhosos, vaidosos, xingadores, ingratos, desobedientes aos pais e não terão respeito pela religião” (II Timóteo 3:1-2 - NTLH). A ingratidão é uma marca forte na geração atual! Isso tem uma raiz: a melhora da qualidade de vida! Parece contraditório, mas não é. Por, exemplo, quanto mais uma criança tem tudo o que quer e recebe tudo de mão beijada, maior é a tendência de se tornar mimada e ingrata.

O marketing tem como objetivo gerar insatisfação no inconsciente coletivo a fim de fazer girar o sistema de consumo. É cada vez mais curto o espaço de tempo em que se adquire um produto e outro por conta da velocidade e da frequência com que tudo muda. A ingratidão nasce da insatisfação. Para o insatisfeito nunca está bom, ele quer mais e mais; não olha o que tem, mas o que falta. Não vê as qualidade, mas os defeitos.

A mente do insatisfeito está formatada ao molde deste mundo pós moderno em que tudo é descartável. As coisas não são mais feitas para durar, por motivos óbvios; e esse ambiente vai criando uma mentalidade de constante substituição nos mais diversos aspectos da vida, incluindo, lugares, pessoas, grupos, organizações, relacionamentos… Isso provoca inconstância e instabilidade emocional, frustração e infelicidade.

1) Seja grato a Deus. A palavra “gratidão” tem a mesma raiz da palavra “graça”. Graça, no grego, é “charis”, que significa “dom gratuito”, “favor imerecido concedido a alguém”. A Bíblia fala que Deus nos salva e abençoa somente pela Sua graça. Nenhum ser humano fez nada para merecer algo de Deus, pelo contrário, é pecador, fez tudo para não merecer - “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus” (Efésios 2:8). Quem entende a graça jamais nutrirá insatisfação e ingratidão!

Certa vez uma prostituta arrependida foi até Jesus e derramou um frasco de perfume caríssimo sobre os pés dEle, ao mesmo tempo em que chorava e enxugava as lágrimas com seus cabelos (Lucas 7:36-38). Um fariseu criticou tal ato, mas Jesus retrucou dizendo: “… O grande amor que ela mostrou prova que os seus muitos pecados já foram perdoados. Mas onde pouco é perdoado, pouco amor é mostrado” (Lucas 7:47 - NTLH). A consciência da graça recebida gerou aquela escandalosa expressão de gratidão! O sinal da gratidão é a entrega e não o desejo insaciável por mais e mais! Quando alimentamos a nossa consciência da graça, a graça nunca perde a graça!

2) Seja grato por sua família. A família é o maior valor que temos aqui na terra! Muitos não valorizam o cônjuge e os filhos, ao ponto de descartá-los. A Bíblia diz: “Seja bendita a

sua fonte! Alegre-se com a esposa da sua juventude” (Provérbios 5:18). O texto está dizendo para ficarmos até a morte com a pessoa que nos unimos na juventude, e não trocar por outra que possa parecer mais atraente. A ingratidão foca apenas os defeitos e não as qualidades. Pessoas insatisfeitas são facilmente iludidas pelo “mito da grama mais verde” e descartam seus cônjuges. Os filhos, por outro lado, são bênçãos, e jamais entraves - “Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá” (Salmos 127:3). Ninguém despreza ou abandona uma herança que recebe, muito mais uma que é tão valiosa a ponto de não ter preço!

3) Seja grato pelo seu trabalho. Existe uma filosofia cada vez mais disseminada hoje em dia de que os patrões são sempre os vilões, que oprimem os trabalhadores, e, portanto, devemos resisti-los. Mas este não é o ensino bíblico - “... Obedeçam a seus senhores terrenos com respeito e temor, com sinceridade de coração… Sirvam aos seus senhores de boa vontade, como servindo ao Senhor, e não aos homens” (Efésios 6:5, 7). Seja grato a Deus pela sua renda e pela sua fonte de renda, como assalariado ou patrão. Não se trata de apologia à mediocridade, mas de controlar a ambição exagerada, fruto da ingratidão. A gratidão traz paz ao coração, combate a amargura e o espírito crítico, que nos faz pensar sempre como vítimas.

4) Seja grato por você. Quantos são descontentes consigo mesmos! Querem ser o que não são e ter o que não têm. Projetam a sua fantasia nas redes sociais. Ao se depararem com o exibicionismo alheio, que na maioria das vezes projeta uma falsa felicidade, querem se auto afirmar para parecerem melhores!

Isso tem a ver com orfandade, falta de afirmação de um pai. Quem conhece o Pai, que nos criou de maneira única e nos aceita como somos, não precisa de auto afirmação. a Bíblia diz: “Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Digo isso com convicção” (Salmos 139:14). Deus nos criou com uma individualidade; não somos iguais, recebemos dons e habilidades diferentes que nos completam uns aos outros. Na lei econômica existe o Paradoxo de Adam Smith, que nasce da teoria clássica do valor - “O valor de um bem está relacionado a sua abundância ou escassez”. Você é único, portanto bem escasso; seu valor é incalculável! Essa consciência nos convence a viver em profunda gratidão. Seja grato, seja mais feliz!

Baixe a
apresentação