Seja forte

Este é um imperativo do próprio Deus. Ele nos manda ser fortes - “Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes. Façam caminhos retos para os pés,...” (Hebreus 12:12-13). E por que Deus nos ordena? Porque não somos! Por causa do pecado (separação de Deus) somos imperfeitos e absolutamente frágeis, temos medos e inseguranças que frequentemente nos paralisam. Josué era um guerreiro valente, mas depois que assumiu a liderança do povo hebreu, Deus lhe disse: “Não foi eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso!... Pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar” (Josué 1:9). A conjunção “pois” faz toda a diferença. Josué deveria ser forte em Deus, não em si mesmo! Deus estava dizendo: “Dependa de mim”!

Atualmente somos bombardeados com discursos sobre motivação e autoajuda. Por conta da proliferação das filosofias humanistas sobram palavras de afirmação como “você é capaz”, “acredite em você”, “você tem potencial”, “use a força da sua mente”, “pense positivo”, e por aí vai. Positivismo não é o mesmo que fé. Positivismo tem a ver com acreditar em si mesmo; fé é confiança em Deus. Os que confiam em si mesmos sempre fracassam, pois são fracos; e, então, se frustram e são infelizes!  

 

A mensagem da cruz é loucura

Portanto, o problema não está em sermos fracos, mas em nos considerarmos fortes em nossa própria força e sabedoria para vencer os desafios da vida. Paulo, o apóstolo, diz: “Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus” (I Coríntios 1:18). A mensagem da cruz é loucura porque contraria a lógica humana. Cruz denota fraqueza e derrota, o contrário do discurso humanista. Na sequência Paulo diz: “Nós, porém, pregamos a Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios” (I Coríntios 1:23). Os gregos e romanos tinham certeza de que nenhuma pessoa de boa reputação seria crucificada, portanto era inconcebível que pudesse ser o Salvador. Na sequência o texto diz: “Porque a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem” (I Coríntios 1:25). 

Jesus, sendo forte em Si mesmo, Se fez fraco e tomou a cruz, para que o poder do Pai se manifestasse ao mundo por meio da ressurreição. O poder de Deus só se manifesta quando o homem reconhece a sua fraqueza - “Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios, e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte. Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele” (I Coríntios 1:27-29). Deus não quer que o ser humano caia na armadilha de pensar ser forte em si mesmo, pois isso o leva à destruição e morte. “O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo antes da queda” (Provérbios 16:18). 

 

A força vem da fraqueza

Quando Deus chamou Gideão, no tempo dos juízes, para que libertasse Israel das mãos dos midianitas, Gideão disse: “... Como posso libertar Israel? Meu clã é o menos importante de Manassés, e eu sou o menor da minha família” (Juízes 6:15). O reconhecimento de Gideão o fez ser a pessoa certa! Quando Deus ordenou a Samuel que fosse à casa de Jessé para ungir como rei um de seus filhos, ele atentou para a aparência deles; mas Deus disse: “Não considere sua aparência nem sua altura… O Senhor não vê como o homem; o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração” (I Samuel 16:7). Nossas escolhas seguem a lógica humana - as qualidades externas, qualificações, talentos e habilidades - mas Deus escolhe os que sinceramente se reconhecem fracos e incapazes para que o poder dEle entre em operação.

Paulo, o apóstolo, falou que sua fraqueza era o motivo para depender de Deus - “Para impedir que eu me exaltasse…, foi-me dado um espinho na carne… Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim… Pois, quando sou fraco é que sou forte” (II Coríntios 12:7, 9, 10). É a fraqueza que produz força. Isso é loucura! Admitir nossas fraquezas nos torna humildes em relação a Deus e às pessoas. Quem reconhece que é fraco não dá espaço para a justiça própria e absorve a consciência da graça, por isso não condena os outros por suas falhas; seu temor de Deus aumenta porque sabe que o seu maior inimigo é ele mesmo! 

Sejamos honestos, temos enorme dificuldade em reconhecer nossos erros e fraquezas! Quando justificamos nossas falhas e exigimos nossas razões estamos buscando força em nós mesmos, e isso é fracasso. Mas quando admitimos prontamente nossa fraqueza e confessamos nossos erros e pecados, jamais seremos fracassados, pois recebemos a força que vem de Deus; e então somos verdadeiramente fortes. Esta é a “loucura” da mensagem da cruz! - “... Quando sou fraco é que sou forte” (II Co 12:10).

Baixe a
apresentação