Sou Livre para Jejuar

Jejum não é uma prática muito comum nos dias de hoje, principalmente nas igrejas reformadas, algumas pessoas acreditam que é uma prática judaica e não mais cristã, fora alguns exageros, abusos e misticismos no meio da Igreja. A palavra jejum vem do hebraico Tsom, no grego Nestéia que tem o sentido de ser um  exercício religioso voluntário e pessoal de abstinência de comida. Podemos ver na Palavra que é uma prática do povo de Deus muito antes de Jesus nascer, sendo realizado pelos israelitas no antigo testamento. Jejuar era deixar de comer ou beber voluntariamente por algum tempo, e sempre era feito com oração. Jejuar não era só deixar de comer, era tirar um tempo para orar e buscar a Deus se abstendo de água e comida em alguns momentos com o propósito de preparar o coração para melhor servir a Deus em oração. Encontramos relatos de jejuns de 1, 7 e 40 dias de Jejum no antigo testamento e muitas vezes associado a afligir a alma ou se humilhar. Salmo 35:13 Contudo, quando estavam doentes, usei vestes de lamento, humilhei-me com jejum e recolhi-me em oração. 

No antigo testamento só o jejum no dia da expiação era obrigatório, um dia em que o sacerdote oferecia um sacrifício pelos pecados do povo, e Deus esperava que o povo deveria  afligir a alma e se humilhar. Levítico 16:29 "Este é um decreto perpétuo para vocês: No décimo dia do sétimo mês vocês se humilharão a si mesmos e não poderão realizar trabalho algum, nem o natural da terra, nem o estrangeiro residente. O jejum tinha o propósito em que a falta de alimento no corpo produzisse um efeito na alma. A aflição da fome e o senso de que precisamos de alimento para viver fazia correlação com a alma que precisa e depende de Deus. Vemos também no antigo testamento que mesmo sendo apenas um dia obrigatório o jejum, os judeus também tomavam iniciativa de jejuar principalmente quando estavam passando por alguma dificuldade como falta de chuva ou quando estavam sendo perseguidos por um exército mais forte, abrindo mão de comer e beber para clamar socorro a Deus. Em Mateus 6, Jesus ensina no sermão no monte no capítulo três práticas que expressam a fé de um judeu piedoso: dar esmola (vs 2), dar esmola (vs 5) e jejuar (vs16). Mas vamos se aprofundar um pouco sobre o jejum.

 

Como, por que e quando?

Mateus 6:16-18 16. "Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os homens vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. 17. Ao jejuar, ponha óleo sobre a cabeça e lave o rosto, 18. para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê no secreto. E seu Pai, que vê no secreto, o recompensará". Jesus pede que seus discípulos jejuem pois isso faz parte da nossa expressão cristã de piedade, serviço a Deus e adoração. 

Mateus 9:14-17 14. Então os discípulos de João vieram perguntar-lhe: "Por que nós e os fariseus jejuamos, mas os teus discípulos não? "15. Jesus respondeu: "Como podem os convidados do noivo ficar de luto enquanto o noivo está com eles? Virão dias quando o noivo lhes será tirado; então jejuarão. 16. "Ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha, pois o remendo forçará a roupa, tornando pior o rasgo. 17. Nem se põe vinho novo em vasilhas de couro velhas; se o fizer, as vasilhas se rebentarão, o vinho se derramará e as vasilhas se estragarão. Pelo contrário, põe-se vinho novo em vasilhas de couro novas; e ambos se conservam". Vemos aqui Jesus ensinando que seus discípulos deveriam continuar essa prática após ele subir aos céus, mas enquanto Ele estava com eles, isso não seria necessário. Na ausência física de Cristo, sem sua presença ressurreta os discípulos encontrariam motivos para jejuar. O próprio Jesus parece esperar que os discípulos jejuassem, não tanto como orassem, mas que jejuassem.

Em uma certa ocasião, Jesus parece ter colocado o jejum com oração para momentos críticos ou de dificuldade, momentos específicos de confrontos com poderes das trevas. Não parece ter sido uma coisa regular, em certas e determinadas ocasiões. Mateus 17:14-21 14. Quando chegaram onde estava a multidão, um homem aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se diante dele e disse: 15. "Senhor, tem misericórdia do meu filho. Ele tem ataques e está sofrendo muito. Muitas vezes cai no fogo ou na água. 16. Eu o trouxe aos teus discípulos, mas eles não puderam curá-lo". 17. Respondeu Jesus: "Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei com vocês? Até quando terei que suportá-los? Tragam-me o menino". 18. Jesus repreendeu o demônio; este saiu do menino e, desde aquele momento, ele ficou curado. 19. Então os discípulos aproximaram-se de Jesus em particular e perguntaram: "Por que não conseguimos expulsá-lo? " 20. Ele respondeu: "Por que a fé que vocês têm é pequena. Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada lhes será impossível. 21. Mas esta espécie só sai pela oração e pelo jejum".

No livro de Atos, vemos que os líderes de antioquia estavam servindo Deus com jejuns e oração quando o Espírito Santo pede para separar Paulo e Barnabé para primeira viagem missionária, e no final dessa viagem, após abrirem várias igrejas, eles elegem com jejum e oração os presbíteros para governar essas igrejas. Atos 13:1-3 1. Na igreja de Antioquia havia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, chamado Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo. 2. Enquanto adoravam ao Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: "Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado". 3. Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as mãos e os enviaram. Atos 14:23 Paulo e Barnabé designaram-lhes presbíteros em cada igreja; tendo orado e jejuado, eles os encomendaram ao Senhor, em quem haviam confiado. Fora essas duas ocasiões não há mais registros em mais nenhuma ocasião de que as pessoas estavam jejuando. O que nos mostra que jejum tem uma importância muito grande para momentos específicos de crise.  No livro de atos vemos vários momentos da igreja orando, mas em jejum apenas nessas duas vezes. 

O apóstolo Paulo costumava jejuar diante das dificuldade e angústias de seu ministério. Duas vezes ele coloca jejum em sua lista do que considera sofrimento por amor a Cristo e evidencia, característica de que ele era servo de Jesus. 2 Coríntios 6:4-5 4. Pelo contrário, como servos de Deus, recomendamo-nos de todas as formas: em muita perseverança; em sofrimentos, privações e tristezas; 5. em açoites, prisões e tumultos; em trabalhos árduos, noites sem dormir e jejuns; e 2 Coríntios 11:27 Trabalhei arduamente; muitas vezes fiquei sem dormir, passei fome e sede, e muitas vezes fiquei em jejum; suportei frio e nudez. Podemos ver que o apóstolo Paulo passou pela sua vida cristã, jejuando em seus momentos de adversidades.

Nas cartas de Paulo e dos demais apóstolos não encontramos nenhuma orientação sobre jejum, mas sobre orações tem várias. Jejum sempre vem com oração, mas oração nem sempre vem com jejum. Orar não temos opção, a ordens e mandamentos claro que devemos orar em todo tempo, mas o jejum é colocado como algo voluntário, e que não seja ostentado mas sim no secreto como Cristo orienta.

 

 

Cuidado para não só passar fome!

Isaías 58:3-11 3. ‘Por que jejuamos’, dizem, ‘e não o viste? Por que nos humilhamos, e não reparaste? ’ Contudo, no dia do seu jejum vocês fazem o que é do agrado de vocês, e exploram os seus empregados. 4. Seu jejum termina em discussão e rixa, e em brigas de socos brutais. Vocês não podem jejuar como fazem hoje e esperar que a sua voz seja ouvida no alto. 5. Será esse o jejum que escolhi, que apenas um dia o homem se humilhe, incline a cabeça como o junco e se deite sobre pano de saco e cinzas? É isso que vocês chamam jejum, um dia aceitável ao Senhor? 6. "O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? 7. Não é partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e não recusar ajuda ao próximo? 8. Aí sim, a sua luz irromperá como a alvorada, e prontamente surgirá a sua cura; a sua retidão irá adiante de você, e a glória do Senhor estará na sua retaguarda. 9. Aí sim, você clamará ao Senhor, e ele responderá; você gritará por socorro, e ele dirá: Aqui estou. "Se você eliminar do seu meio o jugo opressor, o dedo acusador e a falsidade do falar; 10. se com renúncia própria você beneficiar os famintos e satisfizer o anseio dos aflitos, então a sua luz despontará nas trevas, e a sua noite será como o meio-dia. 11. O Senhor o guiará constantemente; satisfará os seus desejos numa terra ressequida pelo sol e fortalecerá os seus ossos. Você será como um jardim bem regado, como uma fonte cujas águas nunca faltam. O povo questionou por que Deus não respondia o seu jejum e oração, e Deus respondeu que eles apenas passavam fome e ficavam cuidando das suas coisas. Não adianta jejuar se isso não significa mudança de vida, o jejum só tem valor se ele for acompanhado de arrependimento, amor pelo outros, cuidado com os necessitados, disposição de consertar os caminhos. Caso contrário seria apenas tirar um dia para passar fome. 

Fariseu e o publicano mostra que não é a religiosidade. Lucas 18:10-14 10. "Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. 11. O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. 12. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’. 13. "Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’. 14. "Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". O jejum deve ser feito sem a intenção de se aparecer mas sim para buscar a Deus e uma mudança de atitude. 

 

Mas o que é Recompensar?

O jejum não é um troca e nem nos faz merecer algo da parte de Deus, mas nos prepara para oração, nos deixando quebrantados e mais dependentes de Deus. Coloca nossa alma na direção correta na hora de orar e Deus então está disposto a nos atender quando oramos da forma correta. Tiago 4:3 Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres. A recompensa nada mais é do que a aprovação dele, e não aplausos humanos. Precisamos escolher qual recompensa estamos buscando, a dos homens ou a de Deus.  Quando buscamos a Deus, temos a aprovação dele, ele se alegra de nós e essa é a nossa recompensa.

Queria encorajar aqueles que nunca jejuaram a jejuar com todo entendimento e sabedoria em cima dessa palavra.

 


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=0AQUOM-LJDg

Baixe a
apresentação