Ande em Aliança

Uma forte característica da geração pós moderna é a falta de compromisso, o total desprezo ao princípio da aliança. Os relacionamentos se tornaram voláteis! Os sentimentos e as emoções instáveis definem e governam as ações de grande parte das pessoas. Uma mentalidade egoísta e autocentrada cresce cada vez mais e está enfermando a humanidade!

A palavra “aliança” é definida como “o ato ou efeito de aliar-se; um pacto, um ajuste, um acordo; união harmoniosa de coisas diferentes entre si; união entre duas ou mais pessoas em prol de um objetivo comum”. Portanto, aliança implica em uma entrega mútua entre duas partes. No casamento, por exemplo, cada cônjuge renuncia-se a si mesmo para se entregar ao outro. Nosso Deus é de aliança. Jesus, ao derramar Seu sangue, fez uma aliança conosco entregando-Se a nós (I Coríntios 11:25). O sangue de Jesus nos perdoa e redime, mas para que o seu efeito opere em nós é necessária uma resposta!

 

A aliança vertical determina a horizontal 

A cruz é o símbolo desse pacto que Jesus fez conosco. E por meio dela aconteceu uma reconciliação no nível vertical e horizontal (Efésios 2:14-16). Quando uma pessoa entra em aliança com Deus, ao mesmo tempo entra em aliança com as pessoas que têm a mesma aliança com Ele. Ou seja, a entrega a Ele, implica numa entrega simultânea aos irmãos. Por isso, é impossível que alguém tenha aliança com Deus sem ter aliança com a Igreja dEle. O batismo no Espírito Santo não é uma experiência pessoal, individual e exclusiva, mas é uma experiência de corpo (I Coríntios 12:13).

A Igreja, portanto, é um reduto de pessoas que decidiram andar em aliança. É um ambiente onde discórdia, divisão, brigas, dissensões… são incompatíveis! A Igreja é formada por pessoas que concordam entre si, que decidiram ignorar as diferenças e entrar em submissão mútua. A tendência natural é andarmos com os iguais. Os iguais se preferem. Mas aliança, é aceitar e amar incondicionalmente, é acolher e respeitar, como também se submeter, mesmo diante das diferenças. Quando um quer gritar mais alto do que outro para que a sua opinião prevaleça, o propósito comum fica paralisado.

 

Aliança é sinal de espiritualidade

A palavra de Deus diz: “Duas pessoas andarão juntas se não estiverem de acordo?” (Amós 3:3). A força de uma unidade está na aliança e não nos sentimentos e emoções. Um casamento é sustentado pela aliança, a entrega mútua, e isso é amar verdadeiramente! Como poderemos andar juntos, em direção a um objetivo, se não houver acordo?

Jesus disse: “Todo reino dividido contra si mesmo será arruinado (ficará deserto), e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá” (Mateus 12:25). Uma igreja (célula) onde as pessoas não andam em aliança, compromisso, está doente, e um corpo doente não se reproduz. Deserto é lugar de esterilidade, onde nada cresce e se desenvolve. Deus não nos criou para andarmos no deserto. Têm pessoas eternamente insatisfeitas, que murmuram o tempo todo, questionam tudo, contrariam a palavra ensinada…, e assim contaminam o corpo e freiam a conquista. Faz algum sentido alguém que não ama sua família espiritual e nem honra seus líderes continuar comungando?

O apóstolo Paulo diz que devemos concordar entre nós (I Coríntios 1:10). Se cada cabeça é uma sentença, como é possível sermos unidos num só  pensamento e num só parecer? É uma questão de espiritualidade. O homem espiritual decide concordar, pensar igual! Se aliança é um acordo de entregar-se confiantemente um ao outro, então a concordância é intencional. Existem questões relacionadas à moral, à ética, ao caráter, que são inegociáveis; mas na igreja a maioria das questões que nos dividem são pormenores irrelevantes, que só evidenciam nossa carnalidade! Usa-se um termo elegante para justificar o divórcio: incompatibilidade de gênios. O mesmo acontece na família espiritual, mas a Bíblia chama de carnalidade (I Coríntios 3:1-5). Os que agem pelo Espírito preservam a unidade, a comunhão, decidem concordar, se humilham, se submetem, mas os carnais dividem as opiniões e procuram persuadir com suas artimanhas malignas. Salomão afirma que uma das coisas que Deus detesta é aquele que provoca discórdia entre os irmãos (Provérbios 6:16-19). 

A família de Deus é uma família vibrante, apaixonada por Jesus, e cheia de misericórdia. Trata-se de um povo diferente, que tem o caráter manso e humilde de Cristo. É um povo que ama aliança, pois sabe que essa é a receita de Deus para forjar o caráter e crescer em maturidade. Quem tem aliança é saudável, progride, cresce à semelhança de Cristo e reproduz Cristo. Esta é a Igreja que subirá no arrebatamento, aquela que se submete a Cristo, como Cabeça, e que como consequência anda em aliança e submissão uns aos outros!

Baixe a
apresentação