Carta à Igreja de Sardes

Sardes estava localizada a oitenta quilômetros de Esmirna. Era uma cidade rica e famosa por suas indústrias de tecido e jóias; e a Igreja havia sido influenciada por essa fama. Por isso Jesus Se apresenta como Aquele que tem os sete espíritos (plenitude) e o que detém as sete estrelas (os mensageiros das sete igrejas) - plenitude do Espírito diante de uma igreja morta, e brilho infinitamente maior do que as sete estrelas juntas!

 

A falsa espiritualidade

Assim como a cidade era famosa, também a igreja o era; no entanto, faltava-lhes essência - “Você tem fama de estar vivo, mas está morto” (v 1). A igreja de Sardes tinha apenas aparência de estar viva, mas estava morta. Aquele que tem as sete estrelas é o Dono do brilho e da glória, ninguém pode competir com Ele. Quando homens se tornam “estrelas”, tomam o lugar de Cristo chamando a atenção das ovelhas para si mesmos.

O ambiente virtual do mundo moderno tem estimulado ainda mais o surgimento das “estrelas” gospel. Numerosas multidões estão seguindo a homens e não a Jesus. Essas estrelas constroem suas “torres” em lugar de construir o Reino, à semelhança da torre de Babel: “Vamos construir uma cidade, com uma torre que alcance os céus. Assim nosso nome será famoso…” (Gênesis 11:4). Um grande número de igrejas são movidas apenas pelo marketing denominacional, pelos muitos recursos tecnológicos e pelas técnicas da psicologia, criando impressão de grande espiritualidade, mas estão mortas, porque exaltam a vaidade humana! São igrejas cheias de pessoas vazias.

Aparente espiritualidade fala de hipocrisia. Jesus disse aos discípulos: “... Estejam atentos e tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes” (Marcos 8:15). O fermento dá uma aparência ao pão, fazendo-o maior, tendo, porém, a mesma substância e essência. Manter a aparência sem alterar a essência é hipocrisia! 

 

A verdadeira espiritualidade

A palavra de repreensão é: “Esteja atento! fortaleça o que resta e que estava para morrer…” (v 2). Deus está nos chamando a atenção antes que mais pessoas morram. É nosso papel fortalecer e consolidar a fé dos fracos - “Nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos” (Romanos 15:1) . Existem muitas pessoas sinceras, que querem realmente viver espiritualmente, mas estão sem apoio. Precisamos salvá-las! Pessoas fracas são facilmente enganadas e seduzidas pelo espírito do erro. Elas logo se frustram, se decepcionam e abandonam o barco. 

O Senhor acrescenta: “... Não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus” (v. 2). Perfeição é integridade. A obra íntegra não é aquela que faz muito barulho e movimento, mas a que consolida a fé das ovelhas, uma a uma, de maneira paciente e amorosa, para que nenhuma se perca - “Da mesma forma, o Pai de vocês, que está nos céus, não quer que nenhum destes pequeninos se perca” (Mateus 18:14). 

 

Exortação ao arrependimento

“Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se” (v 3). A igreja tem recebido muito alimento espiritual e instrução, mas não tem valorizado. Acostumou-se tanto a ouvir sermões, que parece não fazer mais efeito! Quando um remédio perde o seu efeito, a fraqueza e a morte são iminentes. A advertência é para primeiramente lembrar e depois obedecer e se arrepender! Tão facilmente nos esquecemos do que ouvimos! Tiago diz: “Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos” (Tiago 1:22). Quando meditamos e aplicamos aquilo que ouvimos, somos sensibilizados ao arrependimento, e então transformados!

“... Se você não estiver atento, virei como um ladrão” (v 3). Cristo virá como um ladrão somente para os que não estiverem atentos. Quem estiver atento, vivendo a verdadeira espiritualidade, não vai ser pego de surpresa: “Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas para que esse dia os surpreenda como ladrão. Vocês todos são filhos da luz, filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas” (I Ts 5:4-5). A falsa espiritualidade diz que está tudo bem quando não está - “Eles tratam a ferida do meu povo como se ela não fosse grave. ‘Paz, paz’, dizem, quando não há paz alguma” (Jr 8:11). 

Algumas pessoas, poucas, não tinham contaminado as suas vestes (v 4). Vestes podem significar caráter, conduta, testemunho de vida. Estes andarão com Jesus vestidos de branco. O branco significa pureza. O Senhor dará vestes brancas aos que têm o interior puro. Por que poucos? Porque quando a espiritualidade é fraca, o santo se mistura com o profano e já não se consegue discernir o que é santidade. Davi escreveu: “... Quem poderá entrar no seu Santo Lugar? Aquele que tem as mãos limpas e o coração puro…” (Salmos 24:3-4). Muitos dizem que Deus nos aceita do jeito que somos, mas isso não é verdade. Nossos pecados nos separam dEle (Isaías 59:1). Ele aceita os puros, ou seja, os que humildemente confessam e se arrependem dos seus pecados para então serem justificados (I João 1:9). 

Este é o vencedor. Aqueles que vigiarem e não se contaminarem, serão vestidos com vestes brancas e terão seus nomes escritos no livro da vida (v 5). Tais nomes não serão apagados, jamais, pois se tornarão propriedade dEle por toda a eternidade. Amém!

 


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=fyN0XQEw274

Baixe a
apresentação