Igreja em Movimento

As Quatro Características da Igreja em Movimento

 

Estamos em um tempo em que viver em sociedade é sobreviver em meio a uma guerra social e emocional, mediante a muitos maus resultados construídos ao longo do tempo, por ideologias gananciosas, egocêntricas e famigeradas. O resultado dessa arquitetura diabólica, nos induz a viver de uma maneira superficial nos nossos relacionamentos, nas nossas ações e no nosso DNA social. 

Com todas essas situações presentes, percebemos que tem crescido a famosa IGREJA DOS DESIGREJADOS e o mais complicado de entender é o aumento daqueles que aderem ao ATEÍSMO, CETICISMO e o AGNOSTICISMO.
O Ceticismo é a capacidade de questionar tudo, de duvidar de tudo e onde tudo é relativo. O Ateísmo é a negação de algum Deus, é a negação do Deus bíblico. O Agnosticismo é a repulsa da ideia de Deus, é a ideia que coloca Deus longe dessa arquitetura do mundo, onde não tenha existência e coloca o homem como centro do mundo, sem a ideia de governo de Deus.  

Muitas dessas migrações têm acontecido por causa da possível postura de manifestação da igreja em favor dessas pessoas ou situações. Será que estamos fazendo uma leitura sadia sobre as pessoas que chegam até o nosso convívio? Me pergunto, a quem estou representando? Um ditado muito antigo de um autor desconhecido dizia: “Quem não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”.

Para conseguirmos compreender melhor sobre a tão famosa igreja de ATOS, precisamos entender quem é que estabeleceu as suas bases e quem cria o estilo de vida. A base é única, Jesus Cristo é o autor desta construção fabulosa que se chama igreja.
Quando Jesus é elevado aos céus, no mesmo instante é estabelecida a inserção do Espírito Santo, ao qual o próprio Jesus avisa ou comunica dessa chegada, em vários momentos de sua trajetória. O Espírito Santo passa a ser o objeto presente da manifestação natural e sobrenatural da relação de ser igreja personificada. Os discípulos se tornam os canais de divulgação e de condução da propagação dessa igreja. Igreja essa, que encarna em sua essência a permanência das Boas Novas na ação plural, que voltada para fora, que percebe a necessidade do próximo a ser sanada primeiro do que a sua. Essa igreja é aceita, pois ela decide mostrar aos necessitados a Porta de escape para as suas dores e traumas através de suas ações. “Contudo, recebereis poder quando o Espírito Santo descer sobre vós, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra!” (Atos 1:8).

 

Qual a resposta da igreja de Cristo? 

  1. Relacionamento/União

“Todos estes, perseveravam unânimes em oração, juntamente com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele” (Atos 1:4).

O autor de Atos descreve como a igreja nascia e crescia. Ao relatar a perseverança da IGREJA ao permanecer em unidade, era visível que estavam fazendo algo natural. Não era mais o modelo de um império ou mais modelo de um ditador que estavam seguindo ou na pior das hipóteses, obrigados a seguirem. Não, a manifestação era voluntária e a permanência genuína. 

προσκαρτερεω proskartereo:

1) aderir a alguém, ser seu partidário, ser dedicado ou fiel a alguém;

2) ser constantemente atento a, dar constante cuidado a algo;

3) continuar todo o tempo num lugar;

4) perseverar e não desfalecer;

5) mostrar-se corajoso para;

6) estar em constante prontidão para alguém, servir constantemente.

Às vezes, percebo que estamos vivendo numa crise em entender o que é unidade. Por que cada vez mais cresce o interesse em sermos favorecidos, e ainda dizemos que conhecemos a Deus e as nossas ações dentro da igreja devem ser em benefício próprio. A luta por reconhecimento, a busca pela satisfação, jamais será a marca de uma verdadeira igreja de Cristo. A igreja MOVIMENTO, mostra que viver unidade é escolher estar submisso diante da vontade de Deus e dos irmãos em favor da ação coletiva que nos gera responsável do REINO DE DEUS. 

A unidade em Cristo nos leva a aproveitar as bênçãos naturais e sobrenaturais do Reino, de forma sadia em nosso favor, através do Espírito Santo.  

Em Mateus 18:19 diz: “Uma vez mais vos asseguro que, se dois dentre vós concordarem na terra em qualquer assunto sobre o qual pedirem, isso lhes será feito por meu Pai que está nos céus”.     

Se somos a imagem semelhança de Cristo, a Trindade é o nosso maior exemplo de unidade.

 

  1. Humildade 

"E todos estavam absolutamente assustados e confusos, perguntando uns aos outros: “O que significa tudo isto?” Entretanto, outros, para ridicularizá-los, exclamavam: “Esses estão cheios de vinho novo!” E aconteceu que, colocando-se em pé, juntamente com os Onze, Pedro tomou a palavra e, em alta voz, pregou à multidão reunida: “Homens judeus e todos os que habitais em Jerusalém, PERMITAIS que vos esclareça o que se passa! Dai, pois, atenção às minhas palavras… Caros irmãos, CONCEDEI-ME A LICENÇA DE FALAR-VOS COM TODA FRANQUEZA que o patriarca Davi morreu e foi sepultado, e o seu túmulo está entre nós até o dia de hoje... Ao ouvirem tais palavras, ficaram agoniados em seu coração, e desejaram saber de Pedro e dos outros apóstolos: “Caros irmãos! O que devemos fazer?” (Atos 2:12-14, 29, 37). 

A igreja estava vivendo os seus primeiros relacionamentos com o Espírito Santo, depois da partida de Cristo. Imagino que a experiência era surreal e inexplicável. Mas como em todo lugar, existe aquela turma que não concorda com nada e que ainda não deixa os outros viverem as suas próprias experiências. 

Com tudo isso acontecendo, uma parte vivendo o sobrenatural e a outra parte a crítica,  Pedro tem dois momentos que me surpreendem, é quando ele pede duas vezes a permissão aos que estavam zombando, para relatar o que estavam vivendo.

παρρησια parrhesia:

1) liberdade em falar, franqueza na fala;

1a) abertamente, francamente, i.e, sem segredo;

1b) sem abigüidade ou circunlocução;

1c) sem o uso de figuras e comparações;

2) confiança aberta e destemida, coragem entusiástica, audácia, segurança;

3) comportamento pelo qual alguém se faz conspícuo ou assegura publicidade.


A humildade é uma das características mais necessárias dentro das nossas ações. Pedro não só fala àquelas pessoas, como também as convence a viver e experimentar o que eles estão vivendo. Em Tiago 4:6 diz: “Todavia, Ele nos outorga graça ainda maior. Por isso, declara a Escritura: “Deus se opõe aos arrogantes, mas concede graça aos humildes”.  

A humildade é o caminho da graça de Deus em nosso favor, a igreja é a instituição pela qual Deus age através dela. Porém, a ação só é completa na sociedade, quando a igreja MOVIMENTO apropria-se da humildade, em favor do próximo, aí a poderosa manifestação redentora, completa a finalidade para qual Deus nos preparou: O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO.    

   

  1. Serviço

“Eles perseveravam no ensino dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. E na alma de cada pessoa havia pleno temor, e muitos feitos extraordinários e sinais maravilhosos eram realizados pelos apóstolos. Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum” (Atos 2:42-44). 

A igreja cada vez mais crescia em suas ações, o crescimento da igreja MOVIMENTO era inevitável, porque as suas ações internas fortaleciam as suas ações externas. Todo o resultado da manifestação de Deus para com a Igreja MOVIMENTO, não era exclusividade de satisfação da igreja, mas era o motivo pelo qual as pessoas decidiam se transformarem em igreja MOVIMENTO.  No ensino, na comunhão, no pão e nas orações. As ações internas atraíam a conversão externa. Se as nossas ações não resultam em transformações internas, dificilmente haverá adesão  das pessoas externas às práticas internas.  

Somos levados constantemente a servir as pessoas sem levar nada em troca. Deus deu tudo o que tinha em favor do outro.
 

  1. Amor

“Caros irmãos! O que devemos fazer?” Orientou-lhes Pedro: “Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em o nome de Jesus Cristo para o perdão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo. Porquanto a promessa pertence a vós, a vossos filhos e a todos os que estão distantes. Enfim, para todos quantos o Senhor, nosso Deus, chamar!” E com muitas outras palavras dava seu testemunho pessoal e os encorajava, proclamando: “Sede salvos desta geração que perece!” Assim, todos quantos aceitaram a sua palavra foram batizados; e naquele mesmo dia juntaram-se a eles cerca de três mil pessoas” (Atos 2:38-41).

Depois que Pedro faz-se entender aos que zombavam, ele encontra uma oportunidade diante da reação deles, apresentada no texto de um tamanho desespero por parte deles. Em contrapartida, Pedro não se vangloria por ter razão, e enche seu coração de compaixão por aqueles que já estavam inclinados em seus corações a receber as Boas Novas.

Pedro lhes dá o maior presente de suas vidas, Jesus Cristo. Pedro não retém as Boas Novas por achar que eles não mereciam e sim, oportunizam os mesmos ao arrependimento e a transformação dessas vidas.
Essa ação me faz lembrar de uma frase muito dita, “O amor é, o que o amor faz”. Quando penso em fazer algo para alguém que pode demonstrar maior impacto na vida dela, eu só consigo lembrar de uma única coisa, JESUS CRISTO. Pois só existe a satisfação completa de amor, quando O amor é apresentado e condicionado a essas vidas.
Quando a igreja movimento faz isso acontecer nas pessoas, elas são atraídas, são aceitas, se sentem incluídas nesse plano fantástico de vida, Jesus. E o mais importante, Ele se torna a única evidência na vida de quem é transformada, porque a ação é coletiva e não de uma pessoa instituída ou o “ungidão” (I Coríntios 13:1-13). 

 

Conclusão

Jesus, O amor, sempre será suficiente para as nossas ações de amor enquanto igreja na sociedade.


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=eFqAhpqS0eE

Baixe a
apresentação