Pai Herói ou Pai Modelo?

Dizem que toda criança vê seu pai como um herói. Para os gregos antigos, o herói situava-se na posição intermediária entre os deuses e os homens, sendo em geral filho de um deus e de um mortal. Portanto, o herói tinha uma dimensão semi divina!

A história dos heróis e dos super-heróis nos atrai. Por quê? Porque há uma carência na alma humana, um anseio constante por um herói, um messias. A raiz desse anseio está em termos sido criados por Deus para depender dEle. Não nascemos para a auto suficiência, somos carentes de proteção, cuidado, amparo, segurança… O problema é que, por causa da nossa rebeldia, vamos procurar por isso em outras fontes!

A figura do pai é a referência na terra da figura de Deus. Deus é um Pai, a Bíblia assim O define - “Como um pai tem compaixão de seus filhos, assim o Senhor tem compaixão dos que o temem; pois ele sabe do que somos formados; lembra-se de que somos pó” (Salmos 103:13-14). Por isso, todo ser humano precisa de um pai, um pai “homem”, porquanto ele reflete atributos de Deus em sua estrutura humana (espírito, alma e corpo), que tem como objetivo suprir as carências de cuidado, proteção, amparo… 

A figura do pai é insubstituível. A falta de um pai na formação de todo ser humano vai produzir uma inevitável lacuna na personalidade de quem quer que seja. Mesmo uma excelente mãe não poderá substituí-lo, muito menos fazer o papel dos dois! 

 

O verdadeiro pai

Mas o verdadeiro pai não é o herói, o semideus. O verdadeiro pai é o modelo que o filho pode alcançar. É um homem que reconhece ser sujeito a erros, falhas e limitações. Ele é cem por cento humano, repleto de defeitos, como qualquer humano, e por isso tem necessidade de Deus, depende dEle. E quando um pai depende de Deus, ele ensina seu filho a também depender de Deus, o verdadeiro Pai! 

Por isso, o bom pai não é aquele que gera um bom filho, mas que forma um bom pai, dependente do Pai celestial. Depender de Deus é demonstrar verdadeira humildade, é reconhecer que somos apenas pó. Um pai que depende de Deus não se exalta, não se orgulha de si mesmo, não se vangloria. Ele sabe pedir perdão e perdoar, é sincero e verdadeiro. Isso lhe dá autoridade porque é verdadeira sabedoria.

A Bíblia diz: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é entendimento” (Provérbios 9:10). Aqui, a palavra “princípio” pode ser substituída por “chave”. Então não existe sabedoria sem temor de Deus. Temor é um sentimento de reverência e respeito, é reconhecer Sua autoridade, admirá-Lo como Deus Todo-Poderoso, o Criador de todas as coisas. Este é o ponto de partida para a sabedoria! 

Portanto, todo pai modelo para o seu filho, não é super homem, independente de Deus e autossuficiente, mas aquele O teme - “Como é feliz quem teme o Senhor, quem anda em seus caminhos! Você comerá do fruto do seu trabalho, e será feliz e próspero (…) Seus filhos serão como brotos de oliveira ao redor da sua mesa. Assim será abençoado o homem que teme o Senhor” (Salmos 128:1-4). Brotos de oliveira fala de vitalidade, cura, saúde e unção, pois a oliva produz óleo, que representa o Espírito Santo. Pais que dependem de Deus são felizes, prosperam e geram filhos saudáveis no espírito, alma (emoções) e no corpo.

 

O verdadeiro filho

Ao mesmo tempo, filhos que querem prosperar não podem olhar para o pai como um super homem, mas como alguém com falhas e defeitos, como qualquer mortal. Eles não podem colocar suas expectativas na figura humana de pai, e sim na do Pai celestial. Muitos filhos se revoltam porque o pai os abandonou, rejeitou, maltratou, abusou, ou foi ausente. No entanto, quando compreendemos o sentido da vida e descobrimos que ela é a maior dádiva que possuímos, aprendemos a ser gratos, apenas pelo simples e extraordinário fato de ter sido nosso pai um instrumento de Deus para nos gerar!

Assim, todo filho que tem um pai deve valorizá-lo e ouvir seus conselhos. O filho precisa honrar seu pai, pois, do contrário não vai prosperar - “Honra teu pai e tua mãe… para que tudo te corra bem e tenhas longa vida sobre a terra” (Efésios 6:2-3). A honra e a consideração ao pai é a chave para a bênção de Deus. Isso inclui os mais velhos, que são mais vividos e, portanto, mais sábios. 

A Bíblia diz que nos últimos dias haveria um intenso conflito de gerações - “... Nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão… arrogantes..., desobedientes aos pais, ingratos…, sem amor pela família…, irreconciliáveis…” (II Timóteo 3:1-3).  Esta é uma geração arrogante, que despreza os princípios e valores ensinados pelos pais, alegando que os tempos mudaram e os paradigmas devem ser quebrados. Mas, aquele que teme a Deus não vai desprezar, e sim buscar intensamente a sabedoria que vem dos pais: “Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos, e obterão discernimento… Apegue-se às minhas palavras de todo o coração; obedeça aos meus  mandamentos, e você terá vida. Procure obter sabedoria e entendimento;... Não abandone a sabedoria, e ela o protegerá; ame-a, e ela cuidará de você… Dedique alta estima à sabedoria, e ela o exaltará; abrace-a, e ela o honrará” (Pv 4:1, 4, 5, 6, 8).      


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=kMe4NMdnTJU

Baixe a
apresentação