Proteção em Ação

Pesquisas revelam que sete entre dez crianças e adolescentes sofrem algum tipo de violência no Brasil, e a maioria dos casos acontece dentro da família. Isso testifica a verdade de Mateus 24:12 que diz: “Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará”.

O Brasil possui várias leis que buscam o combate à violência, como o recente Decreto nº 10.701, de 17 de maio de 2021 e o Estatuto da Criança e do Adolescente. A Bíblia também indica ações e leis de proteção à criança, isto porque, nosso Deus é justo e governa com justiça e retidão. “A retidão e a justiça são os alicerces do teu trono; o amor e a fidelidade vão à tua frente” (Salmos 89:14). Como povo de Deus, devemos nos esmerar em promover a justiça, cumprindo e fiscalizando as leis, sendo agente de Deus na terra, chamados para proteger os pequeninos, assim como o próprio Jesus fez.

A proteção é como um guarda-chuva, que abriga aquele que por ele está coberto, porém se o mesmo possui “furos”, quem estiver sob ele irá se molhar. É preciso que o poder público e a sociedade estejam alinhados às ações de proteção à criança e ao adolescente, a igreja é fundamental neste processo e a família é onde tudo deve começar.

O mundo virtual, onde todos temos circulado, possui mais componentes eletrônicos do que habitantes. Somos a nação que mais tempo gasta em redes sociais, onde as crianças e adolescentes podem ficar até sete horas por dia utilizando um celular. Este  uso excessivo de telas  influencia comportamentos, podendo causar prejuízos à saúde física e mental, portanto, a moderação é ação mais assertiva. O recomendado é: para crianças de zero a dois anos, uso não aconselhado e para a faixa etária de dois a 10 anos, recomendação de uso por até duas horas ao dia, sob supervisão.

A tecnologia fez a humanidade se transformar, proporcionando mudanças importantes em várias áreas, avanços, conquistas, inúmeros benefícios e algumas compilações. Entre tantas mudanças se destaca a forma como estabelecemos a relação de consumo de bens e de necessidades, pois nos tornamos consumistas e compulsivos, inclusive emocionalmente.

A Comunicação também sofreu alterações, pois a tecnologia ampliou conhecimento e interatividade, modificou o processo de atenção, compreensão e concentração, desenvolvendo comportamentos de ansiedade, dependência e intolerância. 

O que fazer para transitarmos neste mundo, sem sermos por ele consumidos? Como proteger nossos relacionamentos, nossa vida e principalmente nossas crianças e adolescentes, que infelizmente, são presas fáceis para as ciladas da maldade? A chave está em fazermos uso dos princípios de governo, que são estabelecidos por Deus para o nosso bem, eles nos farão andar seguros e protegidos. Portanto, faça um exame em sua vida e sua casa, ajustando algumas escolhas, para que possam viver o melhor de Deus!


 

Consumo X Autogoverno 

 

É preciso rever as prioridades, ajustar-se às necessidades reais, criar hábitos saudáveis, planejar a realização de sonhos, reconhecer as dificuldades e buscar ajuda. "Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. "Tudo me é permitido", mas eu não deixarei que nada domine” (1 Coríntios 6:12).

Quando o consumismo se torna emocional, a pessoa fica aprisionada, pois cria necessidades que são falsamente supridas pelos “likes”, “compartilhar” e “visualizações”.  “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno” (Salmos 139:23,24).

 

Comunicação X Semear e colher

 

Ao avaliar o processo de atenção, compreensão e concentração, identificamos possíveis desajustes e podemos corrigi-los, para que os mesmos cumpram sua função e não estejam entorpecidos pelo uso excessivo dos eletrônicos, garantindo principalmente às crianças um crescimento sadio. “E crescia Jesus em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens” (Lucas 2:52). 

Devemos ter o cuidado, para não permitir que a comunicação morra em suas relações. Informar não é comunicar, não é dialogar. É preciso parar e escutar, ter interesse no que o outro está falando e conectarmos, como humanos que somos, ao outro. Cuidado com a intolerância, ela pode literalmente te tornar uma pessoa, dura e cruel. “A vide se secou, a figueira se murchou; a romeira também, e a palmeira, e a macieira; todas as árvores do campo se secaram, e a alegria se secou entre os filhos dos homens” (Joel 1:12).

Não esqueça e se aproprie desta promessa: “Por causa das ternas misericórdias de nosso Deus, pelas quais do alto nos visitará o sol nascente, para brilhar sobre aqueles que estão vivendo nas trevas e na sombra da morte, e guiar nossos pés no caminho da paz". (Lucas 1:78- 79).


Assista o culto completo

https://www.youtube.com/watch?v=CrbPn4P5W5I

Baixe a
apresentação